Nossa Senhora é exemplo a seguir nos momentos de dúvida e de dor

alt 

 

O secretário de Estado do Vaticano Cardeal Pietro Parolin que presidiu à Missa da peregrinação de 13 de Outubro que encerra celebrações do 99.º aniversário das Aparições na Cova da Iria desafiou hoje os peregrinos presentes em Fátima a imitar a atitude da Virgem Maria nos momentos de “dúvida” e de “dor” nas suas vidas.


“Para muitos de nós, estes são momentos mais do que justificados em que o coração se comprime, se fecha, se aniquila, rompe qualquer comunicação com tudo e com todos; mas não sucedeu assim com Maria”, declarou o cardeal Pietro Parolin, na homilia da Missa que encerrou a Peregrinação Internacional Aniversária de outubro, a última grande peregrinação antes do ano jubilar do Centenário.


Perante mais de 80 mil peregrinos na Cova da Iria, o número dois da Santa Sé apresentou a Virgem Maria como alguém que “sabe estar ao pé da Cruz” e, por isso mesmo, tem uma “missão materna” na Igreja.


“Ao pé do Crucificado, o próximo são todos os discípulos e discípulas que Jesus ama; todos, sem excluir ninguém. Assim, ao pé do Crucificado, são próximo os discípulos e discípulas que fugiram”, acrescentou.


O cardeal italiano recordou as várias situações em que os crentes colocam “em dúvida a fidelidade de Deus” perante os “inimigos”, os “lados obscuros da vida”, contrapondo a esta atitude o compromisso e a convicção da fé de Maria.


“Na verdade, pode-se estar ao pé do Crucificado como mero espectador, movido apenas pelo desejo de ver o que sucederá” disse o cardeal enumerando outras situações idênticas como “estar ao pé do Crucificado como contestador, movido pela recusa de tudo o que provocou aquela cruz. Pode-se estar ao pé do Crucificado como desiludido, sem esperança, convencido de que nunca vai mudar nada e de que a própria mudança é uma trágica ilusão. Pode-se estar ao pé do Crucificado como ressentido, com a sensação de ter sido traído por Aquele em quem se depôs confiança. Como se pode também decidir não estar ao pé do Crucificado, fugindo e escondendo-se à espera de tempos melhores. Por isso não basta estar; temos de aprender a estar lá como se deve” e Maria “dá-nos o exemplo”.


"Ao pé do Crucificado, está disposta a atravessar uma das contradições mais dolorosas que uma mulher possa viver: a morte do seu próprio Filho; uma morte ainda mais gravosa, porque resultante da maldade dos outros”, observou.


“Devemos aprender a saber estar ao pé do Crucificado. Não é a experiência apenas de um momento; saber estar ao pé do Crucificado é a sabedoria sobre a qual se constrói a Igreja”.


O cardeal italiano, responsável pela diplomacia do vaticano, que veio a Fátima não apenas nessa condição mas “como um filho que vem ao encontro da mãe”, sublinhou  que quem ama “verdadeiramente” o próximo rejeita as “regras, as ideias e os comportamentos dos fortes”.


“Os «fortes» e os «poderosos» amam os «fortes» e os «poderosos»”, precisou.


“Ao pé do Crucificado, Maria é mulher corajosa, porque recusa submeter-Se às regras dos «fortes» e dos «poderosos». Naquele tempo, os parentes e conhecidos dos condenados à crucifixão não podiam aproximar-se destes últimos. Mas, corajosamente, Maria quebra esta regra; e, neste gesto, arrasta consigo Maria de Magdala e o discípulo amado”, disse ainda.


O secretário de Estado do Vaticano terminou a homilia pedindo aos peregrinos presentes em Fátima que saibam ser “construtores pacientes duma Igreja que anuncia o Evangelho não obstante as contradições e os lados obscuros da vida”.


Esta foi a última grande peregrinação antes do ano jubilar do Centenário, e assinala o final do 99.º aniversário das Aparições aos pastorinhos na Cova da Iria.


A Missa internacional foi concelebrada pelo cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, 24 bispos e 270 sacerdotes. Antes da celebração, D. Pietro Parolin fez uma visita à Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima e deteve-se uns instantes ao pé dos túmulos dos pastorinhos em recolhimento e oração.

Caminhos Carmelitas

  • 13
    Dia 13! Que sorte porque é dia, que azar porque é dia 13; que sorte porque não é sexta-feira, que azar por já ser sábado ou por estar ou não a chover. Curioso… À medida que a fé vai perdendo...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Deus prepara o seu banquete para todos Na parábola do banquete nupcial descrita pelo evangelista São Mateus neste 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A) Jesus traça o projecto que Deus concebeu para a...
  • A oração de Elias
    Retomamos o tema da oração na vida de algumas figuras bíblicas, contemplando hoje a oração de Elias. O profeta é exemplo de todas as pessoas de fé, que, não obstante tentações, desânimos e...
  • Jesus, pacifica-me
    Jesus, como é difícil conter aquilo que me vem ao pensamento e que me controla, enredando-me num torvelinho de sentimentos do passado, de medos do futuro, de preocupações sobre aquilo que...
  • 27º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros? Jesus, prevendo a sua paixão e morte, relata a parábola dos vinhateiros homicidas, para admoestar os chefes dos sacerdotes e os anciãos do...
  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...

Santos Carmelitas