foto8.jpg
Está aqui:   Início
O Carmelo

"O Carmelo é uma riqueza

para todas as comunidades cristãs".

(João Paulo II)

  

 A Ordem Carmelita é uma Ordem Religiosa Católica de Homens e Mulheres que, inspirados pelo espírito do Profeta Elias e da Bem-Aventurada Virgem Maria, tentam viver uma vida no seguimento de Jesus Cristo através da Contemplação, Fraternidade e Serviço no meio do povo.

 

 

 
XVIII Domingo do Tempo Comum - Ano B

18º DOMINGO DO TEMPO COMUM (ANO B)

2 de Agosto de 2015

 alt

 

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João (Jo 6, 24-35)

24Quando viu que nem Jesus nem os seus discípulos estavam ali, a multidão subiu para os barcos e foi para Cafarnaúm à procura de Jesus. 25Ao encontrá-lo no outro lado do lago, perguntaram-lhe: «Rabi, quando chegaste cá?» 26Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: vós procurais-me, não por terdes visto sinais miraculosos, mas porque comestes dos pães e vos saciastes. 27Trabalhai, não pelo alimento que desaparece, mas pelo alimento que perdura e dá a vida eterna, e que o Filho do Homem vos dará; pois a este é que Deus, o Pai, confirma com o seu selo.» 28Disseram-lhe, então: «Que havemos nós de fazer para realizar as obras de Deus?» 29Jesus respondeu-lhes: «A obra de Deus é esta: crer naquele que Ele enviou.» 30Eles replicaram: «Que sinal realizas Tu, então, para nós vermos e crermos em ti? Que obra realizas Tu? 31Os nossos pais comeram o maná no deserto, conforme está escrito: Ele deu-lhes a comer o pão vindo do Céu.» 32E Jesus respondeu-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo: Não foi Moisés que vos deu o pão do Céu, mas é o meu Pai quem vos dá o verdadeiro pão do Céu, 33pois o pão de Deus é aquele que desce do Céu e dá a vida ao mundo.» 34Disseram-lhe então: «Senhor, dá-nos sempre desse pão!» 35Respondeu-lhes Jesus: «Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não mais terá fome e quem crê em mim jamais terá sede».

Contexto

No evangelho de hoje iniciamos a reflexão sobre o Discurso do Pão da Vida (Jo 6, 22-71). Depois da multiplicação dos pães, o povo foi atrás de Jesus. Viu o milagre, comeu até se saciar e queria mais! Não se preocupou em procurar o sinal ou o chamamento de Deus que havia em tudo isto. Quando as pessoas encontraram Jesus na sinagoga de Cafarnaúm, tiveram com ele uma longa conversa, chamada o Discurso do Pão da Vida. Não é propriamente um discurso mas um conjunto de sete breves diálogos que explicam o significado da multiplicação dos pães como símbolo do novo Êxodo e da Ceia Eucarística.

O diálogo de Jesus com o povo, com os judeus e com os discípulos é um diálogo bonito mas exigente. Jesus procura abrir os olhos das pessoas para que aprendam a ler os acontecimentos e descubram neles o rumo que devem tomar na vida. Não basta ir atrás dos sinais milagrosos que multiplicam o pão para o corpo. Nem só de pão vive o homem. A luta pela vida sem uma mística não alcança a raiz. Na medida que vão conversando com Jesus, as pessoas sentem-se cada vez mais contrariada pelas palavras dele, pois não cede nem altera as suas exigências. O discurso parece desenvolver-se em espiral. Na medida em que o diálogo avança, há cada vez menos gente que fica com Jesus. No final ficam somente os Doze, e Jesus nem sequer pode confiar neles. Hoje acontece o mesmo. Quando o evangelho exige um compromisso muita gente afasta-se.

Comentário do texto

João 6, 24-27: As pessoas procuram Jesus porque querem mais pão e por isso vão atrás dele. Constatam que não entrou na barca com os discípulos e não entendem como fez para chegar a Cafarnaúm. Tampouco entendem o milagre da multiplicação dos pães. A gente vê o que acontece mas não consegue ver em tudo isto um sinal de algo mais profundo. Fica na superfície: na fartura de comida. Procuram pão e vida mas só para o corpo. Segundo as pessoas, Jesus fez o que Moisés fizera no passado: alimentar todos no deserto, até à saciedade. Seguindo Jesus, queriam que o passado se repetisse. Mas Jesus pede-lhe que dêem um passo mais. Além do trabalho pelo pão que perece, deve-se trabalhar pelo pão que não perece. O Filho do Homem dará este alimento. Ele dá-nos a vida que dura para sempre. Ele abre-nos um novo horizonte sobre o sentido da vida e sobre Deus.

João 6, 28-29: “Qual é a obra de Deus?”. As pessoas perguntam: que devemos fazer para realizar este trabalho (obras) de Deus? Jesus responde que a grande obra que Deus nos pede “é crer naquele que Deus enviou”, ou seja, crer em Jesus! O discurso do Pão da Vida não é um texto para discutir ou dissecar, mas um texto que se deve meditar e ruminar. Se não se entende tudo, não nos devemos preocupar. O texto do Pão da Vida exige toda uma vida para ser meditado e aprofundado. Um texto deste tipo, as pessoas devem lê-lo, meditá-lo, rezá-lo, pensá-lo, lê-lo novamente, repeti-lo, ruminá-lo, como se faz com um bom rebuçado na boca, ao qual se dá voltas até que se dissolva. Quem lê superficialmente o quarto evangelho pode ficar com a impressão de que João repete sempre a mesma coisa. Lendo com mais atenção, é possível perceber que não se trata de repetições. O autor do quarto evangelho tem a sua própria maneira de repetir o mesmo assunto, mas a um nível cada vez mais profundo. Parece uma escada de caracol.

João 6, 30-33: “Que sinal realizas para que acreditemos?”. As pessoas perguntaram: “Que devemos fazer para realizar a obra de Deus?”. Jesus responde: “A obra de Deus é crer naquele que Ele enviou”, isto é, crer em Jesus. As pessoas formulam uma nova pergunta: “Que sinal realizas para que possamos ver e acreditar em ti? Qual é a tua obra?”. Isto significa que não entenderam a multiplicação dos pães como um sinal vindo de Deus para legitimar Jesus perante o povo como um enviado de Deus. E continuam a argumentar: “Os nossos pais comeram o maná no deserto, conforme está escrito: Ele deu-lhes a comer o pão vindo do Céu”, ou seja, “pão de Deus”. Moisés continua a ser um grande líder em quem eles acreditam. Se Jesus quer que eles acreditem nele tem que fazer um sinal maior do que o de Moisés. “Qual é a tua obra?”. Jesus responde que o pão dado por Moisés não era o verdadeiro pão do céu. Vinha do alto, sim, mas não era o pão de Deus, visto não ter garantido a vida a ninguém. Todos morreram no deserto (Jo 6, 49). O verdadeiro pão do céu, o pão de Deus, é o pão que vence a morte e traz a vida. É o que desce do céu e dá a vida ao mundo. É Jesus! Jesus procura ajudar as pessoas a libertarem-se dos esquemas do passado. Para ele, fidelidade ao passado não significa encerrar-se nas coisas antigas e não aceitar a renovação. Fidelidade ao passado é aceitar a novidade que chega como fruto da semente plantada no passado.

João 6, 34-35: “Senhor, dá-nos sempre deste pão!”. Jesus responde claramente: “Eu sou o pão da vida!”. Comer o pão da vida é o mesmo que acreditar em Jesus e aceitar o caminho que ele nos ensinou, a saber: “O meu alimento é fazer a vontade do Pai que está no céu!” (Jo 4, 34). Este é o alimento verdadeiro que sustenta a pessoa, que dá um rumo à vida e que traz vida nova.

Palavra para o caminho

O caminho que percorremos nesta terra é sempre um caminho marcado pela procura da nossa realização, da nossa felicidade, da vida plena e verdadeira. Temos fome de vida, de amor, de felicidade, de justiça, de paz, de esperança, de transcendência e procuramos, de mil formas, saciar essa fome; mas continuamos sempre insatisfeitos, tropeçando na nossa finitude, em respostas parciais, em tentativas falhadas de realização, em esquemas equívocos, em falsas miragens de felicidade e de realização, em valores efémeros, em propostas que parecem sedutoras mas que só geram escravidão e dependência. Na verdade, o dinheiro, o poder, a realização profissional, o êxito, o reconhecimento social, os prazeres, os amigos são valores efémeros que não chegam para “encher” totalmente a nossa vida e para lhe dar um sentido pleno. Jesus de Nazaré é o “pão de Deus que desce do céu para dar a vida ao mundo”. É esta a questão central que o Evangelho deste Domingo nos propõe.

 
Já conheces a Família Carmelita?

Já conheces a Família Carmelita?

alt 

A Ordem do Carmo em Portugal edita a revista Família Carmelita. Ela é um projecto editorial que já tem muitos anos, com uma história de altos e baixos, como é compreensível. Contudo, a perseverança tem mantido de pé esta publicação que pretende ser um “Abraço” entre todos aqueles e aquelas que, pertencendo ou não à Família Carmelita, de algum modo têm laços com o Carmelo, mesmo que sejam só afectivos.

Acaba de sair o nº 71, relativo a Julho de 2015, da revista Família Carmelita. Para se ter uma ideia do seu conteúdo apresentamos os títulos dos trabalhos nela contidos: Nota de abertura; A contemplação; Regra da Ordem dos Irmãos da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo; Da permanência nas celas e da oração contínua. Nº 10 da Regra do Carmo; Bem-aventuranças dos pais; Mais uma carmelita canonizada: Maria de Jesus Crucificado; Santa Teresa de Jesus, escritora e mestra de oração; O Castelo de Teresa; O escapulário, dádiva de Maria; Como encontrei Nossa Senhora do Carmo; Um sacerdote.

Temos sonhos e trabalhamos para os tornar realidade: servir e fazer chegar a um maior número de pessoas esta revista do Carmelo português. Numa época de interdependências, só com a colaboração de todos cresceremos e chegaremos mais longe e a mais pessoas. Lançamos-lhe um desafio: seja um Amigo da revista Família Carmelita e arranje também mais outro Amigo assinante.

Pode enviar os seus dados (Nome e Morada completa) para: Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar ou: Frei Fernando Manuel Afonso Araújo – Rua de Santa Isabel, 128 – 1250-208 LISBOA. O preço da assinatura por cada número é 2 Euros e a anual é 6 Euros.

Muito obrigado.

Bem haja.

A Equipa Redactorial de Família Carmelita

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Seguinte > Final >>

Pág. 1 de 16

Calendário Carmelita

Julho 2015
D S
28 29 30 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1
Agosto 2015
D S
26 27 28 29 30 31 1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5

Sondagem

Que acha deste site ...
 

Estatísticas

Visualizações de conteúdos : 611337

Utilizadores Online

Temos 17 visitantes em linha