Carta do Padre Geral a Bento XVI

A Sua Santidade o Papa Bento XVI

 
Roma, 12 de Fevereiro de 2013
Prot. 21/2013

 

A Sua Santidade
Papa Bento XVI

Santo Padre,

Recebemos com grande surpresa e emoção a sua declaração de hoje, na qual mani­festa o desejo de renunciar ao ministério petrino. Em meu nome pessoal, e de toda a Ordem Carmelita, desejo manifestar-lhe, neste momento especial da sua vida e da história da Igreja, os sentimentos de profundo afecto e agradecimento pelo serviço realizado com determinação e abnegação à comunidade dos crentes em Cristo. Aco­lho com grande respeito as motivações que expôs: são um sinal do seu amor à Igreja e da consciência com que exerceu e exerce o ministério de Pastor romano e universal.

Recordo, emocionado, os momentos em que pude encontrá-lo pessoalmente e as pa­lavras de proximidade e interesse que em diversas ocasiões teve não só para com a minha pessoa como para a Ordem e a sua vida, desde a primeira audiência pública, na qual participei como recém-eleito Prior Geral, em 2007. Experimentei uma grande alegria, com os meus irmãos e com todos os membros da Família Carmelita, no dia 26 de Abril de 2009, quando, na Basílica de São Pedro, ouvimos a sua voz a declarar São Nuno de Santa Maria inscrito no livro dos santos. Também me comoveu muito o seu interesse afectuoso acerca da actividade com os jovens europeus, quando fui com os jovens que participavam na “Peregrinação da Esperança”, em 2010, a Castelgandolfo para nos encontrarmos consigo. Naquela ocasião disse-me que os Carmelitas são «os que nos ensinam a orar». Garanto-lhe que aquelas palavras ficaram profundamente impressas no nosso coração. No ano seguinte, muitos deles, juntamente comigo e outros irmãos e irmãs Carmelitas, participaram na Jornada Mundial da Juventude de Madrid onde, mais uma vez, pudemos escutar as suas palavras fortes que nos anima­vam a seguir o Senhor Jesus e a levá-lo ao mundo. Recentemente, pude devolver-lhe uma breve saudação, durante a audiência geral de 19 de Setembro de 2012, por oca­sião do Congresso Internacional dos Leigos Carmelitas.

Agradeço-lhe as beatificações que quis aprovar e celebrar durante o seu pontificado, algumas delas durante o mandato do meu predecessor, Pe. Joseph Chalmers: a beata Maria Crocifissa Curcio, a beata Maria Teresa Scrilli, os beatos Angel Prat y compa­nheiros mártires carmelitas, a beata Candelária de San José, o beato Angelo Paoli. Há mais dois grupos de mártires do século XX de Espanha à espera de ser beatificados no próximo mês de Outubro. Há também várias figuras eminentes pela santidade a quem foram reconhecidas as virtudes heróicas. A todas elas e aos Santos Carmelitas confiamos a Sua pessoa, para que o assistam e o protejam sempre.

Conhecemos bem o seu afecto para com a Mãe e Irmã do Carmelo, cujas referências a Ela pudemos apreciar em diversas ocasiões. Também sabemos que o senhor nunca esqueceu o facto de ter vivido durante muitos anos no território da paróquia de Santa Maria in Transpontina, que visitou diversas vezes como Cardeal, particularmente du­rante uma novena de preparação para a Solenidade de Nossa Senhora do Carmo, bem como para um dos encontros da lectio divina.

Agradecemos-lhe a coragem e a esperança – que o senhor nunca deixou de apontar como essencial para a vida cristã – com que levou a cabo o gesto, inesperado, de re­núncia. Estamos perto de si, Santo Padre, neste momento difícil da sua e da nossa vida, como católicos. Como sempre, e mais do que nunca, asseguramos-lhe a nossa oração e afecto filial, certos de que a sua decisão é um sinal da presença e da acção do Espírito para o bem da Igreja.

Conjuntamente com os meus irmãos e irmãs Carmelitas, mais uma vez me reafirmo filho devotíssimo da Igreja, do senhor, Santo Padre, e de quem o Espírito e os Carde­ais queiram dar-nos como sucessor de Pedro.

Pe. Fernando Millán Romeral, O.Carm., Prior Geral 

Caminhos Carmelitas

  • 13
    Dia 13! Que sorte porque é dia, que azar porque é dia 13; que sorte porque não é sexta-feira, que azar por já ser sábado ou por estar ou não a chover. Curioso… À medida que a fé vai perdendo...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Deus prepara o seu banquete para todos Na parábola do banquete nupcial descrita pelo evangelista São Mateus neste 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A) Jesus traça o projecto que Deus concebeu para a...
  • A oração de Elias
    Retomamos o tema da oração na vida de algumas figuras bíblicas, contemplando hoje a oração de Elias. O profeta é exemplo de todas as pessoas de fé, que, não obstante tentações, desânimos e...
  • Jesus, pacifica-me
    Jesus, como é difícil conter aquilo que me vem ao pensamento e que me controla, enredando-me num torvelinho de sentimentos do passado, de medos do futuro, de preocupações sobre aquilo que...
  • 27º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros? Jesus, prevendo a sua paixão e morte, relata a parábola dos vinhateiros homicidas, para admoestar os chefes dos sacerdotes e os anciãos do...
  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...

Santos Carmelitas