Santa Maria de Jesus Crucificado

 

 alt

Em 17 de Maio de 2015 o Papa Francisco canonizou a Beata Maria de Jesus Crucificada (Mariam Baouardy), carmelita árabe palestinense, fundadora dos Carmelos de Belém e de Nazaré. Este acontecimento, celebrado no Ano da Vida Consagrada e no V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, enche de alegria e de esperança a vida de muitos cristãos daquela região que conhecem dias difíceis por causa da sua fé. A vida desta jovem carmelita e o reconhecimento oficial da sua santidade são um estímulo à fidelidade de muitos irmãos na fé e pessoas de boa vontade do Próximo e Médio Oriente nestes tempos difíceis e tormentosos. Apresentamos em grandes pinceladas as etapas principais da vida da “pequena flor árabe”.

Mariam Baouardy nasceu em 5 de Janeiro de 1846, em Ibillin, numa pequena aldeia da Galileia, entre Nazaré e Haifa. Os seus pais perdem, um após outro, os doze filhos, sendo eles ainda muito pequenos. Com profunda dor mas com uma grande confiança em Deus, decidiram fazer uma peregrinação a Belém para rezar na Gruta da Natividade e pedir a graça de uma filha. É assim que Mariam veio ao mundo nove meses depois. No ano seguinte nasceu o seu irmão Boulos. 

Mariam não tinha ainda 3 anos quando o seu pai morre e alguns dias depois morre a sua mãe. O pai, vendo a morte a aproximar-se, tomou a filha nos seus braços e pede a São José que desse momento em diante seja pai e protector da sua filha. Com a morte dos pais, Boulos é adoptado por uma tia e Mariam por um tio de boa condição social. 

Dos seus anos de infância na Galileia, guarda na memória o maravilhar-se diante da beleza da Criação, da luz, das paisagens, onde tudo lhe fala de Deus. Uma experiência de criança tornar-se-á marcante no seu futuro. Ao brincar com dois passarinhos e ao querer dar-lhes um banho, eles não resistem e morrem entre as suas mãos. Triste, ouve então interiormente estas palavras: “Vês? É assim que tudo passa, mas se queres dar-me o teu coração, Eu ficarei para sempre contigo”. 

Aos 8 anos faz sua primeira comunhão. Pouco depois, o seu tio parte para Alexandria com toda a família. 

No Egipto: Alexandria e o martírio 

Mariam tem 12 anos quando sabe que o seu tio a quer casar. Decidida a dar-se totalmente a Deus, recusa a proposta. Tratam de persuadi-la e ameaçam-na. Nem as humilhações, nem os maus tratos puderam fazer mudar a sua decisão. Após três meses, visita um velho criado da casa do seu tio, para enviar uma carta ao seu irmão que vive na Galileia para que venha ajudá-la. Ouvindo a narração dos seus sofrimentos, o criado que era muçulmano, exorta-a a converter-se ao Islão. Mariam recusa. Encolerizado, o homem pega numa espada e corta-lhe a garganta, abandonando-a logo de seguida numa rua escura. Era o dia 8 de Setembro de 1858. 

É então que o sobrenatural vai irromper na sua vida. Mais tarde contará que estava realmente morta e que lhe pareceu ter entrado no Paraíso, onde viu a Santíssima Trindade, Nossa Senhora, os Santos e os seus Pais. Mas a sua hora não havia chegado, e ela acorda numa gruta, ao lado de uma jovem mulher que parecia ser uma religiosa. Durante quatro semanas, ela cuida, alimenta e instrui Mariam. Depois de estar curada, aquela que mais tarde ela revelará ser a Virgem Maria, leva-a a uma igreja onde a deixa. 

Desde esse dia, Mariam irá de cidade em cidade (Alexandria, Jerusalém, Beirute, Marselha…), como doméstica, escolhendo preferencialmente as famílias pobres, ajudando-as, mas deixando-as quando elas a honram em demasia.  

Em Marselha: as Irmãs de São José 

Em 1865 Mariam encontra-se em Marselha. Entra em contacto com as Irmãs de São José da Aparição. Tem 19 anos, mas só parece ter 12 ou 13. Fala mal o francês e possui uma saúde frágil. É admitida ao noviciado e a sua alegria é enorme por se poder entregar assim a Deus. Sempre disponível para fazer os trabalhos mais pesados, passa a maior parte do seu tempo a lavar ou a cozinhar. No meio desta vida muito simples, semanalmente, revive a Paixão de Jesus, recebe os estigmas (que na sua simplicidade pensa ser uma doença) e começa a manifestar-se todo o tipo de graças extraordinárias. Algumas Irmãs ficam desconcertadas com o que se passa com ela. Ao fim de dois anos de noviciado, não é admitida na Congregação. Um conjunto de circunstâncias vão conduzi-la ao Carmelo de Pau. 

O Carmelo de Pau, França 

É recebida em Junho de 1867. Ali, no meio de todas as provas que terá de atravessar, encontrará sempre amor e compreensão. Ingressa de novo no noviciado, onde recebe o nome de Irmã Maria de Jesus Crucificado. Insiste em ser admitida como “irmã conversa”, pois gosta mais do serviço aos outros, tendo, por outro lado, dificuldades na leitura, nomeadamente na recitação do Oficio Divino. A sua simplicidade e generosidade conquistam o coração de todos. Estas palavras ditas depois de um êxtase ilustram como era a sua vida: “Onde está a caridade ali está Deus. Se pensais em fazer o bem ao vosso irmão, Deus pensará em vós. Se cavais um poço para o vosso irmão, caíreis nele; o poço será para vós. Mas, se fazeis um céu para o vosso irmão, esse céu será para vós…”. 

Dom da profecia, ataques do demónio ou êxtases… entre todas as graças divinas das quais está agraciada, ela sabe, muito convictamente, ser “nada” diante de Deus, e quando fala de si mesma intitula-se “o pequeno nada”. Isto é realmente expressão profundamente convicta do seu ser. É o que a faz penetrar na insondável profundidade da misericórdia divina onde encontra a sua alegria, as suas delícias e a sua vida: “A humildade é feliz por não ser nada, ela não se apega a nada, ela não se cansa nunca de nada. Está contente, é feliz, onde quer que esteja é feliz, está satisfeita com tudo… Felizes os pequenos!”. Aqui está a fonte do seu abandono, no meio de graças especiais e  acontecimentos humanos desconcertantes. 

A fundação do Carmelo de Mangalore na Índia 

Após 3 anos passados no Carmelo de Pau, em 1870 parte com um pequeno grupo de Irmãs para fundar o primeiro convento de Carmelitas Descalças na Índia, em Mangalore. A viagem de barco foi uma aventura e três religiosas morrem antes de chegar ao destino. Apesar de tudo, a vida claustral no final desse ano começa e na Primavera do ano seguinte algumas Irmãs vindas de França chegam para reforçar a comunidade. As suas experiências extraordinárias continuam sem que a impeçam de realizar os seus trabalhos mais pesados e de dar atenção aos problemas inerentes a uma nova fundação. Durante os seus êxtases, as Irmãs podiam ver o seu rosto resplandecente na cozinha ou noutro local. Participa em espírito nos acontecimentos da Igreja, por exemplo, nas perseguições na China, e também parece ser possuída exteriormente pelo demónio, que a faz viver terríveis tormentos e combates. Foi o começo de muitas incompreensões na sua comunidade, onde duvidaram da autenticidade do que ela vivia. Não obstante, pôde emitir os seus votos no final do noviciado, a 21 de Novembro de 1871, mas as tensões criadas em seu redor acabaram por provocar o seu regresso ao Carmelo de Pau em 1872. 

O regresso a Pau 

Aqui, de novo, Mariam reencontra a sua vida simples como “irmã conversa” no meio do carinho das suas Irmãs carmelitas, e a sua alma dilata-se. Durante alguns êxtases, ela que é quase analfabeta, improvisa em exultação de gratidão a Deus, poesias duma grande beleza, cheias de frescura e de um atractivo totalmente oriental, onde toda a criação canta ao seu Criador. “Todo o mundo dorme. E Deus, tão repleto de bondade, tão grande, tão digno de louvores, é esquecido!… Ninguém pensa n'Ele! Vejo, toda a natureza O louva, o céu, as estrelas, as árvores, as ervas, tudo O louva; o homem, que conhece os seus benefícios, que deveria louvá-Lo, dorme!… Vamos, vamos despertar o universo”! 

São numerosas as pessoas que procuram Mariam para buscar consolo, conselhos, que lhe pedem  que reze pelas suas intenções, e partem iluminados e fortificados com este encontro. 

A fundação do Carmelo de Belém 

Pouco depois do seu regresso de Mangalore, ela começa a falar da fundação de um Carmelo em Belém. Os obstáculos são numerosos, mas dissipam-se progressivamente, inclusive de maneira inesperada. Por fim a autorização é dada por Roma. Em 20 de Agosto de 1875 um pequeno grupo de carmelitas embarca para a Terra Santa. O próprio Senhor conduz Mariam na escolha do local e na forma de construção do novo Carmelo. Como ela é a única que fala árabe, encarrega-se particularmente de seguir os trabalhos, “imersa na areia e na cal”. A comunidade instalar-se-á no novo convento no dia 21 de Novembro de 1876, enquanto que certos trabalhos continuam. 

Prepara também a fundação de um Carmelo em Nazaré, viajando até lá para comprar o terreno, em Agosto de 1878. Durante essa viagem Deus revela-lhe o lugar de Emaús. Berthe Dartigaux compra-o para para o Carmelo. De volta a Belém, retoma a vigilância dos trabalhos debaixo de um calor sufocante. Quando leva uma bebida aos trabalhadores, Mariam cai de uma escada e parte um braço. A gangrena avança muito rapidamente e morre poucos dias depois, a 26 de Agosto de 1878, aos 32 anos. O Papa João Paulo II beatifica-a em 13 de Novembro de 1983, e em 17 de Maio de 2015 é canonizada pelo Papa Francisco. Na homilia da missa da canonização disse o Santo Padre: “Um aspecto essencial do testemunho que devemos prestar ao Senhor ressuscitado é a unidade entre nós, seus discípulos, à imagem da unidade que subsiste entre Ele e o Pai. Também hoje ressoou no Evangelho a oração de Jesus na vigília da Paixão: «Para que todos sejam um, como nós» (Jo 17, 11). Deste amor eterno entre o Pai e o Filho, que se infunde em nós por intermédio do Espírito Santo (cf. Rm 5, 5), adquirem vigor a nossa missão e a nossa comunhão fraternal; é dele que brota sempre de novo a alegria de seguir o Senhor pelo caminho da sua pobreza, da sua castidade e da sua obediência; é aquele mesmo amor que nos chama a cultivar a oração contemplativa. Foi quanto experimentou de maneira eminente a irmã Maria Baouardy que, humilde e iletrada, soube dar conselhos e explicações teológicas com extrema clarividência, fruto do diálogo incessante que mantinha com o Espírito Santo. A docilidade ao Espírito Santo fez dela também um instrumento de encontro e de comunhão com o mundo muçulmano”.

Fontes: www.carmelitas.pt 

http://mariamdejesuscrucifieblog.blogspot.co.il/

Caminhos Carmelitas

  • 13
    Dia 13! Que sorte porque é dia, que azar porque é dia 13; que sorte porque não é sexta-feira, que azar por já ser sábado ou por estar ou não a chover. Curioso… À medida que a fé vai perdendo...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Deus prepara o seu banquete para todos Na parábola do banquete nupcial descrita pelo evangelista São Mateus neste 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A) Jesus traça o projecto que Deus concebeu para a...
  • A oração de Elias
    Retomamos o tema da oração na vida de algumas figuras bíblicas, contemplando hoje a oração de Elias. O profeta é exemplo de todas as pessoas de fé, que, não obstante tentações, desânimos e...
  • Jesus, pacifica-me
    Jesus, como é difícil conter aquilo que me vem ao pensamento e que me controla, enredando-me num torvelinho de sentimentos do passado, de medos do futuro, de preocupações sobre aquilo que...
  • 27º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros? Jesus, prevendo a sua paixão e morte, relata a parábola dos vinhateiros homicidas, para admoestar os chefes dos sacerdotes e os anciãos do...
  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...

Santos Carmelitas