O que fizeste do teu irmão?

 “Quem vos der a beber um copo de água, por serdes de Cristo,

em verdade vos digo que não perderá a sua recompensa (Mc 9, 41)

 alt

O individualismo é, sem dúvida, um dos traços que melhor caracteriza o homem de hoje. Como recordava o sociólogo americano D. Riesma na sua famosa obra “A multidão solitária” (1950), na época moderna o sagrado já não é o grupo nem a família, mas o indivíduo liberto e “auto-dirigido”.

Desgraçadamente este moderno individualismo nem sempre conduz à auto-afirmação da pessoa. Depois do toque de alarme dado por Ch. Lasch na obra “A cultura do narcisismo” (1979) não são poucos os que estão despertos perante um certo estilo de vida individualista que conduz à perda da identidade humana.

O indivíduo moderno defende “instintivamente” a sua liberdade, mas esta fica reduzida muitas vezes a uma defesa receosa da esfera privada. É uma liberdade sem conteúdo. O que importa é não comprometer-se com nada e com ninguém. Não depender dos outros. Exigir direitos sem assumir obrigações. Ocupar-se e preocupar-se só de si mesmo.

Este individualismo conduz a um perigoso isolamento. A pessoa desliga-se de tudo o que não seja o seu próprio interesse. Recusa o compromisso e inclusivamente o amor. Só se interessa pelo seu próprio eu. Os problemas pessoais são sobrevalorizados. A tranquilidade vai-se convertendo em meta suprema. O importante é evitar tensões e viver sem problemas.

Curiosamente, ao dar-se conta de que está só e sem ligações, o indivíduo perde a segurança. Necessita de estar de acordo com os demais, viver na moda, estar informado, ligar o televisor, ter a sensação de que não está só na vida. Necessita sentir-se vivo mas já não sabe o que é fazer surgir a vida a partir do amor.

Diante desta “cultura do eu”, o Evangelho continua a convidar para uma “cultura do nós”. A humanidade não é uma “multidão de indivíduos isolados. O mundo não termina no meu pé. Todo o ser humano é meu “próximo”. De todos me deverei sentir responsável, ainda que seja unicamente para “dar de beber um copo de água”. O individualismo contemporâneo não será humano enquanto não ouvir a pergunta de Deus: “Homem moderno e progressista, que fizeste do teu irmão?”.

J. A. Pagola

Caminhos Carmelitas

  • 13
    Dia 13! Que sorte porque é dia, que azar porque é dia 13; que sorte porque não é sexta-feira, que azar por já ser sábado ou por estar ou não a chover. Curioso… À medida que a fé vai perdendo...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Deus prepara o seu banquete para todos Na parábola do banquete nupcial descrita pelo evangelista São Mateus neste 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A) Jesus traça o projecto que Deus concebeu para a...
  • A oração de Elias
    Retomamos o tema da oração na vida de algumas figuras bíblicas, contemplando hoje a oração de Elias. O profeta é exemplo de todas as pessoas de fé, que, não obstante tentações, desânimos e...
  • Jesus, pacifica-me
    Jesus, como é difícil conter aquilo que me vem ao pensamento e que me controla, enredando-me num torvelinho de sentimentos do passado, de medos do futuro, de preocupações sobre aquilo que...
  • 27º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros? Jesus, prevendo a sua paixão e morte, relata a parábola dos vinhateiros homicidas, para admoestar os chefes dos sacerdotes e os anciãos do...
  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...

Santos Carmelitas