A amizade de Deus

 A amizade de Deus

  alt

Já não vos chamo servos, pois o servo não sabe o que faz o seu senhor. Eu chamo-vos amigos, porque vos dei a conhecer tudo o que ouvi de meu Pai  (Jo 15,15). A amizade de Deus é fonte de imortalidade para aqueles que se Lhe aproximam.

No princípio, Deus formou Adão, não porque tivesse necessidade do homem, mas para ter alguém que pudesse receber os seus benefícios.

Não foi também por necessitar dos nossos serviços que Deus nos mandou segui-Lo, mas para nos dar a salvação. Seguir o Senhor é receber a salvação, tal como seguir a luz é receber a luz.

Não são os que estão na luz que iluminam a luz, mas é esta que os ilumina e faz resplandecer; eles nada lhe dão, são eles que beneficiam da luz e por ela são iluminados.

Do mesmo modo, o serviço que prestamos a Deus nada acrescenta a Deus, porque Ele não precisa do serviço dos homens. Mas aos que O seguem e servem, Deus dá a vida, a incorruptibilidade e a glória eterna. Favorece com os Seus dons aqueles que O servem, precisamente porque O servem; mas não recebe deles nenhum benefício, porque é perfeito e de nada precisa.

Se Deus requer o serviço dos homens é porque, sendo bom e misericordioso, deseja conceder os seus dons aos que perseveram no seu serviço. Com efeito, Deus de nada precisa, mas o homem é que precisa da comunhão com Deus.

A glória do homem consiste em perseverar e permanecer no serviço de Deus. Por isso dizia o Senhor aos seus discípulos: Não fostes vós que Me escolhestes, fui Eu que vos escolhi (Jo 15,16), dando assim a entender que não eram eles que O glorificavam com o seu seguimento, mas que, por terem seguido o Filho de Deus, eram por Ele glorificados. E disse ainda: Quero que onde Eu estou, eles estejam também comigo, para que vejam a minha glória (Jo 17,24).

Santo Ireneu (século II)

 

Caminhos Carmelitas

  • 13
    Dia 13! Que sorte porque é dia, que azar porque é dia 13; que sorte porque não é sexta-feira, que azar por já ser sábado ou por estar ou não a chover. Curioso… À medida que a fé vai perdendo...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Deus prepara o seu banquete para todos Na parábola do banquete nupcial descrita pelo evangelista São Mateus neste 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A) Jesus traça o projecto que Deus concebeu para a...
  • A oração de Elias
    Retomamos o tema da oração na vida de algumas figuras bíblicas, contemplando hoje a oração de Elias. O profeta é exemplo de todas as pessoas de fé, que, não obstante tentações, desânimos e...
  • Jesus, pacifica-me
    Jesus, como é difícil conter aquilo que me vem ao pensamento e que me controla, enredando-me num torvelinho de sentimentos do passado, de medos do futuro, de preocupações sobre aquilo que...
  • 27º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros? Jesus, prevendo a sua paixão e morte, relata a parábola dos vinhateiros homicidas, para admoestar os chefes dos sacerdotes e os anciãos do...
  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...

Santos Carmelitas