Aliviar

Aliviar

 alt 

A enfermidade é uma das experiências mais duras do ser humano. Não só padece o doente que sente a sua vida ameaçada e sofre sem saber porquê, para quê e até quando, como sofre também a família, os entes queridos e os que cuidam dele.

De pouco servem as palavras e explicações. O que fazer quando a ciência não pode deter o inevitável? Como enfrentar de maneira humana a decadência? Como estar junto do familiar ou do amigo gravemente doente?

O primeiro que se deve fazer é aproximar-se, tornar-se próximo. A quem sofre não se pode ajudar desde longe. Tem de se estar perto. Sem pressa, com discrição e respeito total. Ajudá-lo a lutar contra a dor. Dar-lhe força para que colabore com os que procuraram curá-lo.

Isto implica acompanhá-lo nas diferentes etapas da doença e nos diferentes estados de ânimo. Oferecer-lhe o que precisa em cada momento. Não nos incomodarmos quando estiver irritado.

Ter paciência. Permanecer junto dele. É importante escutar. Que o enfermo possa contar e compartilhar o que tem dentro de si: as esperanças frustradas, as suas queixas e medos, as angústias perante o futuro. É um alívio para o doente poder desabafar com alguém que lhe mereça confiança. Nem sempre é fácil escutar. Requer-se que quem o faz se coloque no lugar de quem sofre e estar atento ao que nos diz com as palavras e, sobretudo, com os seus silêncio, gestos e olhares.

A verdadeira escuta exige que se acolha e compreenda as reacções do enfermo. A incompreensão fere profundamente quem sofre e se queixa. “Coragem”, “aguenta”... são palavras inúteis quando há dor. De nada valem os conselhos, razões e doutas explicações. Só a compreensão de quem acompanha com carinho e respeito alivia. A pessoa pode adoptar perante a doença atitudes sadias e positivas ou pode deixar-se destruir por sentimentos estéreis e negativos. Muitas vezes terá necessidade de ajuda para manter uma atitude positiva, para confiar e colaborar com os que cuidam dele, para não se fechar somente nos seus problemas, para ter paciência consigo mesmo ou para ser agradecido.

O doente pode necessitar também de se reconciliar consigo mesmo, curar as feridas do passado, dar um sentido mais profundo à sua dor, purificar a sua relação com Deus. O crente pode ajudá-lo a orar, a viver com paz interior, a crer no perdão e a confiar no seu amor salvador.

O evangelista Marcos diz-nos que as pessoas levavam os seus doentes e possessos até Jesus. Ele sabia acolhê-los com carinho, despertar a confiança em Deus, perdoar o seu pecado, aliviar a sua dor e curar a sua doença. A actuação de Jesus perante o sofrimento humano será sempre para os cristãos um exemplo a imitar no trato com os enfermos.

J. A. Pagola

Caminhos Carmelitas

  • 13
    Dia 13! Que sorte porque é dia, que azar porque é dia 13; que sorte porque não é sexta-feira, que azar por já ser sábado ou por estar ou não a chover. Curioso… À medida que a fé vai perdendo...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Deus prepara o seu banquete para todos Na parábola do banquete nupcial descrita pelo evangelista São Mateus neste 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A) Jesus traça o projecto que Deus concebeu para a...
  • A oração de Elias
    Retomamos o tema da oração na vida de algumas figuras bíblicas, contemplando hoje a oração de Elias. O profeta é exemplo de todas as pessoas de fé, que, não obstante tentações, desânimos e...
  • Jesus, pacifica-me
    Jesus, como é difícil conter aquilo que me vem ao pensamento e que me controla, enredando-me num torvelinho de sentimentos do passado, de medos do futuro, de preocupações sobre aquilo que...
  • 27º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Quando vier o dono da vinha, que fará àqueles vinhateiros? Jesus, prevendo a sua paixão e morte, relata a parábola dos vinhateiros homicidas, para admoestar os chefes dos sacerdotes e os anciãos do...
  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...

Santos Carmelitas